PUBLICIDADE

Excesso de exercícios pode causar osteoporose precoce

As mulheres são as mais prejudicas pelo overtraining

A preocupação excessiva em perder peso e a pressa em reduzir medidas pode causar sérios prejuízos à saúde da mulher. Conhecido como overtraining, o abuso sem orientação é tão prejudicial quanto à vida sedentária.

Maurício de Moraes, ortopedista do Instituto de Ortopedia e Traumatologia de São Paulo (IOT SP), afirma que, em mulheres, o excesso na malhação pode desregular o ciclo menstrual ou até cessá-lo, provocando uma osteoporose precoce. O fenômeno ocorre porque o corpo, com a exaustão, acaba reabsorvendo e economizando tudo o que pode no organismo. "O overtraining altera o metabolismo hormonal e o processo da absorção e reabsorção do cálcio. Com isso, o organismo feminino passa a retirar o cálcio do osso na tentativa da manter o equilíbrio, gerando osteoporose secundária", explica o Maurício de Moraes.

Além de alterações no ciclo menstrual, um dos primeiros sinais de que houve abuso na malhação são as dores contínuas. Os médicos explicam que, normalmente, o incômodo aparece de 24 a 48 horas após os exercícios, em decorrência da degradação muscular e da lesão pelo esforço. "Elas tendem a cessar em dois a três dias. Porém, a permanência do sintoma é um alerta de que algo está errado", completa o Rubens Rodrigues, que também integra a equipe de ortopedistas do IOT SP.

Os médicos recomendam diminuição da carga de exercícios, orientação médica, tratamento medicamentoso e, em alguns casos, apoio psicológico. "Já para as mulheres com osteoporose por perda da massa e não por overtraining, a atividade física é bastante recomendada para o fortalecimento ósseo", acrescenta Rubens Rodrigues.

O overtraining também pode gerar outros problemas ortopédicos, entre eles dor crônica, edema (inchaço), limitação de algumas funções da articulação e, muitas vezes, lesões permanentes. Nesses casos, é fundamental realizar atividades físicas apenas com a orientação médica.