PUBLICIDADE

Febre Mayaro: sintomas, tratamentos, causas e prevenção

Visão Geral

O que é Febre Mayaro?

A febre mayaro é uma arbovirose (como a dengue e o Zika vírus), causada pelo vírus MAYV, que costuma ser transmitido pelo mosquito Haemagogus, muito mais comuns em áreas rurais e próximo a florestas. Existo o risco de que ela possa ser transmitida pelo Aedes aegypti. O vírus é da mesma família da febre chikungunya (os togavírus) e os dois quadros têm sintomas bastante parecidos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Febre mayaro no Brasil

Hoje a febre mayaro existe no Brasil e está presente principalmente nas regiões Norte e Centro-Oeste do país. Apesar de ser muito mais comum na zona rural, já houve invasões urbanas do vírus, que inclusive causou um surto em Manaus em 2007 e 2008.

No Centro-Oeste brasileiro foram documentados em 2016 70 casos no estado de Goiás, sendo 20 na capital Goiania e 50 espalhados em outros 10 municípios. O vírus também foi isolado em pássaros no Rio Grande do Sul, mas ainda não há relatos da transmissão para humanos nesta região.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O turismo e a saída de trabalhadores rurais para as cidades podem fazer com que a doença se espalhe mais pelas cidades e se adapte ao mosquito Aedes aegypti, que hoje já é o principal vetor urbano de outras arboviroses.

É preciso se preocupar com a febre mayaro?

A febre mayaro tem ganhado espaço na imprensa devido a descoberta de um vírus MAYV com alterações genéticas no Haiti. Especialistas temem que as alterações apresentadas pelo vírus o tornem mais adaptável a transmissão em locais urbanos (principalmente por meio do Aedes aegypti), disseminando a doença da mesma forma como ocorreu com o Zika vírus em 2015 e 2016.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Além disso, por ser extremamente parecida com a febre chikungunya, especialistas temem que a febre mayaro já esteja se espalhando sem um devido controle.

Tipos

Existem dois tipos de vírus MAYV, responsável pela febre mayaro.

Apesar de serem vírus geneticamente diferentes, seus sintomas são semelhantes.

No entanto, com as mutações que o vírus pode estar sofrendo, é possível que outros tipos apareçam.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Causas

A febre Mayaro é transmitida pela picada do mosquito contaminado. Hoje ela é mais comumente transmitida pelo mosquito Haemagogus, que vive em habitats mais silvestres como florestas. Ele costuma ficar na copa das árvores e picar macacos e pássaros, que são os hospedeiros primários da doença nesse ecossistema. No entanto, quando alguma pessoa entra na mata, principalmente entre 9h e 16h (horário em que o mosquito está ativo), ela pode ser picada e contrair a doença.

A partir daí, se ela for picada, há chances de um mosquito contrair a doença e transmiti-la a outras pessoas. O perigo é se o Aedes aegypti começar a transmitir a doença, pois isso possibilitará que ela seja espalhada em centros urbanos, contaminando muito mais pessoas.

Existem outras formas de transmissão da febre mayaro?

Hoje, a picada do mosquito contaminado é a única forma conhecida de transmissão da doença.

Fatores de risco

Pessoas que vivem próximas a florestas ou costumam adentrar em matas são mais suscetíveis a contrair a febre mayaro.

Sintomas

Sintomas de Febre Mayaro

Os principais sintomas da febre mayaro são:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Normalmente os sintomas da febre mayaro se resolvem sozinhos em até duas semanas. Mas muitas vezes as dores e inflamações nas articulações podem durar mais um tempo.

Febre mayaro x Febre chikungunya

As doenças têm quadros extremamente parecidos, sendo difícil para os médicos diferenciá-las sem ajuda de exames específicos.

Diagnóstico e Exames

Diagnóstico de Febre Mayaro

A febre mayaro é diagnosticada primeiro através do histórico do paciente e de seus sintomas. Depois disso, podem ser pedidos exames para identificar o vírus e fechar o diagnóstico:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Muitas vezes, no entanto, o diagnóstico pode ser fechado sem eles.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Febre Mayaro

Não existe tratamento específico contra a febre mayaro, faz-se apenas medicamentos para os sintomas da doença, ou seja, fazer um tratamento sintomático. É importante apenas tomar muito líquido para evitar a desidratação.

Em alguns casos, quando as dores e inflamações articulares ocorrem por um período maior do que os outros sintomas, anti-inflamatórios e analgésicos podem ser receitados para melhora dos sintomas.

Pacientes com febre mayaro ou suspeita de febre mayaro devem evitar medicamentos à base de ácido acetilsalicílico (aspirina) ou que contenham a substância associada.

Convivendo (prognóstico)

Complicações possíveis

Além das dores e inflamações articulares que podem ficar presentes por um tempo após a manifestação do vírus, existe o risco do paciente desenvolver uma encefalite, uma inflamação e infecção do cérebro desencadeada geralmente por um vírus e que pode ser fatal.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Convivendo/ Prognóstico

A expectativa é que os sintomas durem por no máximo duas semanas. No entanto, as dores e inflamações nas articulações podem continuar por período de meses e normalmente se resolvem sozinhas.

Prevenção

Prevenção

Hoje a melhor forma de prevenir a febre mayaro é evitar a picada do mosquito contaminado. No caso do Haemagogus é importante:

Nas regiões urbanas, os cuidados são semelhantes com as outras doenças do Aedes aegypti:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Referências

Infectologista Helena Brígido (CRM-PA: 4.374), membro do Comitê de Arboviroses da Sociedade Brasileira de Infectologia, especialista em Infectologia, Epidemiologia e Saúde Pública e mestre em Medicina Tropical.

Infectologista Celso Granato (CRM-SP 34.307), especializado em Microbiologia e Imunologia Médica na Universidade de Hamburgo, na Alemanha e em Medicina Internacional Retrovírus e Banco de Sangue na Universidade Cornell, nos EUA; assessor médico em Infectologia do Fleury Medicina e Saúde e professor livre-docente da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Infectologista Ivan Marinho (CRM-SP 48.389), da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo

Ministério da Saúde